As finais de tênis mais emocionantes da história

| ESPORTE
As finais de tênis mais emocionantes da história
Fonte: listas.20minutos.es
Nos últimos anos, experimentamos uma etapa no tênis profissional tão rica em rivalidade que fez com que muitas das finais que experimentamos fossem lembradas, não mais como as melhores dos últimos anos, mas como as melhores da história. Os duelos míticos Federer / Nadal, Djokovic / Nadal estão gravados na memória dos amantes deste esporte. Com a final da Masters Cup pendente, uma breve revisão das finais mais intensas e emocionantes dos últimos anos. Qual dura na sua memória? Qual você gostaria de ter testemunhado?

TOP 20:
Borg - Gerulaitis (Wimbledon 1977)
Borg - Gerulaitis (Wimbledon 1977)
Foi um jogo de constante mudança. Um duelo de fases, de alternativas, onde Borg parecia vencer e de repente as mesas viraram. Tanto que, com 4-1 no quinto set, poucos foram os que pensavam que Gerualitis não venceria o torneio. No entanto, com Borg sempre havia uma chance de retorno. E evidentemente ela iria acontecer.

TOP 19:
Edberg - Becker (Wimbledon, 1990)
Edberg - Becker (Wimbledon, 1990)
Terceiro duelo entre os dois na final de Wimbledon. O primeiro, em 1988, foi para Edberg e o segundo, no ano seguinte, para Becker. Neste terceiro, Edberg voltou a se proclamar um campeão de 6-4 no último set.


TOP 18:
Mats Wilander- Ivan Lendl (US Open 1988)
Mats Wilander- Ivan Lendl (US Open 1988)
Ambos os tenistas estrelaram a final mais longa da história do US Open. O sueco venceu Ivan Lendl em 4 horas e 54 minutos. O tcheco havia derrotado seu rival em seus últimos seis jogos, inclusive na final do US Open de 1987. No entanto, durante a temporada de 1988, Wilander jogou o melhor tênis de sua vida ao vencer três torneios de Grand Slam. No primeiro set do jogo, houve igualdade absoluta no placar até o nono jogo. Com 5-4 a favor do sueco, Lendl marcou três ases seguidos, mas ainda perdeu o set por 6-4. No segundo set, o tcheco continuou cometendo muitos erros com o backhand, permitindo que Wilander ganhasse uma vantagem de 4-1. Lendl melhorou bastante seu jogo e conseguiu voltar o set por 6-4 contra um Wilander que cometia mais e mais erros em comícios longos. Depois de vencer o terceiro set, o sueco quebrou o saque de Lendl no sétimo jogo do quarto set, a apenas dois jogos da vitória final. O tcheco voltou mais uma vez e levou o jogo para o quinto set, onde conseguiu superar o adversário por 0-2, mas no final sucumbiu a Wilander, que precisou salvar muitas bolas para se declarar campeão do torneio.

TOP 17:
Ivanisevic - Rafter (Wimbledon 2001)
Ivanisevic - Rafter (Wimbledon 2001)
Aos 29 anos, muitos já pensavam que Goran Ivanisevic seria um daqueles tenistas amaldiçoados que nunca dariam um ótimo. Seu saque causou estragos, mas Sampras, Agassi ou simples infortúnio sempre se aliaram contra ele. Até 2001, quando ninguém contava com ele e começou como Wild Card, ele se permitiu um luxo: vencer o torneio após uma final épica contra Patrick Rafter que terminaria com 9-7 no quinto set e com um último jogo que nunca será esquecido . Emoção, tensão e nervos, muitos nervos. Havia três falhas duplas antes de provar ao mundo que Goran finalmente conseguiu vencer Wimbledon.

TOP 16:
Murray - Ferrer (Miami 2013)
Murray - Ferrer (Miami 2013)
Um dos jogos mais dramáticos do ano, se não o mais. David Ferrer venceu e perdeu o jogo ao mesmo tempo depois de vencer o primeiro set, e também teve uma bola de jogo no terceiro set com uma vantagem de 6-5, mas um grande Andy Murray foi capaz de mudar o jogo e vencer no desempate.


TOP 15:

Stefan Edberg - Boris Becker (Wimbledon, 1990)

Stefan Edberg - Boris Becker (Wimbledon, 1990)
Grande jogo que foi experimentado na final de 1990, não tanto pela qualidade que era alta, mas pela emoção e pelos nomes dos protagonistas. Edberg venceu em um drama de cinco sets repleto de voleios impossíveis.

TOP 14:

Andy Murray - Novak Djokovic (US Open 2012)

Andy Murray - Novak Djokovic (US Open 2012)
O escocês conquista seu primeiro Grand Slam em uma final titânica em quase cinco horas de jogo (7-6, 7-5, 2-6, 3-6 e 6-2).

TOP 13:

Djokovic - Ferrer (Paris-Bercy 2013)

Djokovic - Ferrer (Paris-Bercy 2013)
Djokovic venceu um duelo vibrante e apaixonado às vezes, jogado de potência em potência na parte inferior da pista. Ferrer dominou os dois sets, mas no momento crucial sua mão deu de ombros e ele os deixou escapar. Em cada uma das mangas, Ferrer puxou para vencer, mas nas duas ocasiões ele soltou. O Levantine, que no ano passado havia adicionado seu primeiro Masters 1.000 em Bercy, se tornaria o primeiro tenista a dobrar o sucesso consecutivamente desde que o torneio foi criado, em 1986. Mas ele permaneceu nos portões após uma participação meritória no torneio. que derrotou o número um do mundo nas semifinais, mas manteve o mel nos lábios na frente de dois.


TOP 12:

Navratilova - Chris Evert (Roland Garros 1985)

Navratilova - Chris Evert (Roland Garros 1985)
Chris Evert venceu seu sexto título de Roland Garros e décimo sétimo título de Grand Slam ao derrotar Martina Navratilova nos 6-3, 6-7 (4-7) e 7-5 finais em 2 horas e 52 minutos. Foi um dos melhores jogos da história recente do tênis feminino, sempre com a vantagem de Chris Evert. Chris fez o 3-0 fora. Martina reagiu (3-3), mas perdeu o primeiro saque, os chutes de aproximação para a rede e seus voleios, e perdeu o primeiro set por 6-3. No segundo, com Navratilova nervoso, irritado com as decisões dos juízes e perturbado pelo vento, Chris Evert novamente escapou para o 4-1. Do fundo, com bolas nos cantos, muita paciência e segurança para superar seu boneco de neve na rede, Chris Evert controlava o ritmo do jogo. Ele teve oportunidades para um 5-3 e seu saque com uma vantagem de 6-5, mas perdeu na morte súbita. Martina parecia recuperada e jogada para a vitória, mas, apesar de seu controle físico, seus erros retornaram. Assim, Chris colocou com 3-1 na última manga, com 5-3 depois e, para aumentar o suspense, com 5-5 a seu serviço e 0-40 contra

TOP 11:

John McEnroe-Bjorn Borg (US Open 1990)

John McEnroe-Bjorn Borg (US Open 1990)
7-6, 6-1, 6-7, 5-7, 6-4. Depois de estrelar a final de Wimbledon de 1980 em um dos melhores jogos da história, Borg e McEnroe se enfrentaram novamente no último Grand Slam do ano. O sueco ainda era considerado o melhor tenista do mundo, mas na final no Estádio Louis Armstrong, em Nova York, ele se deixou rastrear três vezes. Borg foi superior a McEnroe na maior parte do primeiro set, e mesmo 5-4 a seu favor serviu para vencer o primeiro set. No entanto, os restos mortais do americano forçaram Borg a forçar seus saques na rede, o que permitiu a McEnroe interromper seu saque e levar o set no tie-break. No terceiro set, Borg perdeu a vantagem de 5-3, mas ainda conseguiu empatar o set em um tie-break, no qual McEnroe estava perto da vitória. No quinto set decisivo, o americano cometeu menos erros e conseguiu se tornar o campeão do Aberto dos EUA pela segunda vez em sua carreira.

TOP 10:

Nadal - Del Potro (Indian Wells 2013)

Nadal - Del Potro (Indian Wells 2013)
Outra final do Masters escapou de Del Potro, que estava com 6-4 e 3-1, mas não conseguiu manter a calma e Rafa o virou para pegar seu 22º Masters. Em um momento emocionante para Rafa, que estava retornando após sua lesão de sete meses que o manteve inativo.


TOP 9:

Djokovic - Nadal (Miami 2011)

Djokovic - Nadal (Miami 2011)
Em uma das finais mais emocionantes da história do Sony Ericsson Open, o sérvio derrotou o número 1 do mundo na época, Rafael Nadal pela segunda vez consecutiva em um torneio ATP World Tour Masters 1000, depois de fazer o mesmo em Indian Wells duas semanas antes, por 4-6, 6-3, 7-6 (4)

TOP 8:

Federer-Roddick (Wimbledon 2009)

Federer-Roddick (Wimbledon 2009)
O melhor tenista da história do torneio e o melhor finalista da história do evento se reuniram em 2009. Para Roddick, foi a oportunidade perfeita para ganhar seu segundo Grand Slam, no máximo quando Roger teve a tranquilidade de ter marcado seu primeiro Roland Garros. O artilheiro do Nebraska se esforçou muito, mas Federer permaneceu calmo até terminar em um duelo dramático com 16-14 no set final.

TOP 7:

Borg - McEnroe (Wimbledon, 1980)

Borg - McEnroe (Wimbledon, 1980)
Um sueco frio que mal pensava sentir a pressão e que dominava a parte de trás da pista como poucos outros e um americano canhoto que teve um de seus melhores argumentos no vôlei. Borg venceu com 8-6 na quinta manga, mas antes disso McEnroe teve um épico tiebreak (16-18) na quarta manga. Para o leilão, havia um ponto de 34 pontos em uma grama que naqueles anos era rápido.

TOP 6:

Juan Martín del Potro- Roger Federer (US Open 2009)

Juan Martín del Potro- Roger Federer (US Open 2009)
3-6, 7-6, 4-6, 7-6, 6-2 A final de 2009 poderia ter sido um dia histórico para o torneio, como se o suíço tivesse vencido em Flushing Meadows, ele se tornaria o Único tenista da era Open a proclamar o campeão do US Open seis vezes. Antes do jogo, o jogador da Basileia tinha tudo a seu favor - ele estava em ótima forma e também havia vencido todas as suas partidas contra Del Potro. Ninguém duvidou da vitória de Federer, especialmente depois de alguns meses antes, o suíço havia endossado o argentino na derrota mais difícil de sua carreira: 6-3, 6-0, 6-0 nas quartas de final do Aberto da Austrália. No entanto, Del Potro excedeu seus próprios limites e conseguiu um retorno inesquecível, graças ao seu saque e seu direito.


TOP 5:

Federer - Nadal (Wimbledon 2007)

Federer - Nadal (Wimbledon 2007)
Um dos mais estranhos e emocionantes Wimbledon dos últimos anos. Até a imprensa britânica definiu a final entre Rafa Nadal e Roger Federer como um dos melhores da história. A organização, em uma decisão controversa, decidiu não jogar o 'Domingo do Meio' (o primeiro domingo do torneio), segundo a tradição. Muitos jogadores criticaram esta decisão. Nalbandian, depois de perder para Baghdatis, reclamou dos organizadores, a quem acusou de não pensar nos jogadores. No entanto, tanto acúmulo de festas causou cenas e jogos descritos por toda a imprensa internacional como épicos. Djokovic sérvio jogou dois jogos a cinco sets de quinta a sexta-feira. No total, nove horas e meia na grama de Wimbledon. Um dia depois, o passe para a final de domingo foi disputado contra o espanhol Rafa Nadal. Seu corpo disse o suficiente. Uma infecção no pé o forçou a abandonar um set com um empate. O próprio Nadal precisava de assistência médica na final e temia por sua retirada. A americana Venus Williams, que levou seu quarto título, precisou de ajuda na final, assim como sua rival, a surpreendente e desconhecida francesa Marion Bartoli. Alguns dias antes, Serena Williams caiu no gramado do Pista Central em sua partida contra Daniela Hantuchova. Mas, acima de tudo, a edição de 2007 será lembrada como a final espetacular em que o espanhol Rafa Nadal forçou Roger Federer a chegar ao quinto set - algo sem precedentes nas finais de Grand Slam vencidas pelos suíços - para imitar o recorde mítico Cinco finais consecutivas de Bjorn Borg. O próprio Federer reconheceu após a final que Rafa também merecia vencer. No quarto set, Nadal recebeu assistência médica. Nadal venceu o quarto set, forçou o quinto e tinha quatro break breaks, que o jogador da Basileia salvou com um saque devastador. Havia um total de 24 'ases' de Federer. Rafa serviu apenas um. Nos jogos, curiosamente, eles empataram com 26. A final foi vencida por Federer e ele ganhou seu quinto e sonhou com Wimbledon. Rafa chegou à sua segunda final em 'SW19'

TOP 4:

Nadal - Federer (Roma 2006)

Nadal - Federer (Roma 2006)
Mais uma das épicas partidas de Nadal. Cinco sets e três tie breaks, um deles incluído no último set. Ambos já são um clássico.

TOP 3:

Djokovic - Nadal (US open 2013)

Djokovic - Nadal (US open 2013)
Dessa vez, os joelhos de Rafa Nadal tremeram, mas não por causa da dor que sua memorável carreira está prestes a enterrar. Desta vez, eles quebraram devido à emoção pura, que veio espontaneamente para comemorar sua vitória colossal contra Novak Djokovic na final do US Open, com quatro sets (6-2, 3-6, 6-4 e 6-1).

TOP 2:

Djokovic - Nadal (Aberto da Austrália 2012)

Djokovic - Nadal (Aberto da Austrália 2012)
Na final, Novak Djokovic venceu Rafael Nadal (5-7, 6-4, 6-2, 6-7 (5-7), 7-5) na mais longa final do Grand Slam da história, com um duração de 5 horas 53 minutos, excedendo o recorde estabelecido anteriormente na final de Wimbledon 2008.

TOP 1:

Federer - Nadal (Wimbledon, 2008)

Federer - Nadal (Wimbledon, 2008)
Final de 2008: considerada por muitos como a melhor partida de todos os tempos. Um duelo entre dois gigantes que significou o fim de um ciclo, o do reinado de Roger Federer na grama no primeiro título de Wimbledon e Nadal em Londres. Quatro horas e 46 minutos (com interrupções no meio) de batalha com 9-7 no quinto set e emoção em abundância.